Banco de Teses e Dissertações

A Técnica do Diferencial Semântico para a Avaliação de fenômenos Acústicos no Interior de Aeronaves

Este estudo teve como objetivo desenvolver uma medida psicométrica, com base na técnica do diferencial semântico, para avaliação de propriedades acústicas no interior de aeronaves. No processo de construção desta medida dois estudos compuseram o trabalho: um primeiro estudo da semântica de descritores para som e vibração, e um segundo estudo especifico de construção da medida para avaliação de sons no interior de aeronaves. No total 685 pessoas participaram de uma das treze etapas desta pesquisa, dessas 393 eram do sexo masculino e 292 do feminino, a média de idade dos participantes foi de 25 anos, com desvio padrão de 7 anos e 2 meses. Os resultados do primeiro estudo constituíram uma lista contendo diversos descritores aptos a caracterização de fenômenos acústicos e vibracionais para o interior de aeronaves. O segundo estudo obteve como produto uma escala de diferencial semântico composto por quatro fatores, Apreciação, Adequação, Estabilidade e Intensidade, que após procedimentos estatísticos como calculo do coeficiente de confiabilidade, alfa de Cronbach e análise da variância multivariada (MANOVA), apresentou parâmetros de validade e confiabilidade satisfatórios. A partir do conjunto de análises foi proposto ao final da pesquisa um modelo bi-dimensional da avaliação do evento acústico no interior de aeronaves, a primeira dimensão constituiu-se pelos fatores intercorrelacinados Avaliação, Adequação e Intensidade, relacionada a aspectos da natureza afetiva avaliativa do objeto, e a segunda dimensão pelos fatores Estabilidade e Adequação, ligada a aspectos técnicos avaliativos do fenômeno acústico no interior de aeronaves.

Competências Profissionais do Mediador de Conflitos Familiares

O ofício do mediador de conflitos familiares sofrerá repercussões com a promulgação do Projeto de Lei Projeto de Lei da Câmara nº 94, de 2002 (nº 4.827, de 1998 – casa de origem), que institucionaliza e disciplina a Mediação, como método de prevenção e solução consensual de conflitos2. Por esse Projeto de lei, será obrigatória a presença de um (co) mediador proveniente da Psicologia, Psiquiatria ou Serviço Social, no processo de mediação de conflitos, quando o litígio judicial versar sobre Direito de Família3. Tal imposição legal possibilitará uma significativa ampliação do espaço de atuação profissional para o psicólogo no âmbito jurídico familiar. Nesse sentido, esta pesquisa investigou as competências profissionais (conhecimentos, habilidades e atitudes) que o mediador familiar deve demonstrar para auxiliar as partes envolvidas a se separarem legalmente, preservando a relação. Método: estudo descritivo exploratório no qual foi aplicado questionário construído especificamente para esse fim, com base na decomposição de variáveis que constituem o objeto de estudo. A população pesquisada é composta por mediadores familiares que atuam prevalentemente no Fórum Central da Comarca de Florianópolis e de São José, bem como de pessoas que passaram pela mediação familiar nestes foros. Foi utilizado o Statistical Package for Social Sciences (SPSS) para a análise dos dados. Resultados: os resultados mostram que dentre as competências consideradas mais relevantes ao oficio do mediador familiar estão: enquadrar o processo de mediação; demonstrar atitude colaborativa; aperfeiçoar conhecimentos sobre vínculos familiares; estabelecer rapport e escutar ativamente.

Características do processo de trabalho dos Psicólogos Peritos Examinadores de Trânsito na Avaliação das condições psicológicas para dirigir

O objetivo do estudo foi caracterizar o processo de trabalho dos psicólogos peritos examinadores de trânsito na avaliação das condições psicológicas para dirigir, tendo como suporte a literatura nacional sobre esse campo de atuação profissional – conhecido como Psicotécnico – e as características da produção do conhecimento em Psicologia do Trânsito. Outro aspecto pesquisado na literatura foram as técnicas e instrumentos de avaliação das condições psicológicas, assim como os critérios para tomada de decisão no processo de trabalho do psicólogo perito. Também foram caracterizados alguns fatos históricos sobre a Psicologia do Trânsito no Estado de Santa Catarina referente ao exercício profissional do psicólogo perito. A pesquisa caracteriza-se como descritiva e exploratória, sendo que as informações foram obtidas por meio da observação da situação de trabalho, da consulta a fontes documentais e do depoimento de 12 psicólogos peritos que atuam no sul de Santa Catarina na avaliação das condições psicológicas para dirigir. Os instrumentos de coleta de dados utilizados foram um questionário estruturado, denominado de Q-PET, e um Roteiro de Observação com base na decomposição das variáveis que constituem o fenômeno investigado e organizado em itens de análise como: identificação, formação e capacitação profissional, organização do processo de trabalho, procedimentos psicológicos e critérios na tomada de decisão da aptidão e inaptidão para dirigir. Os resultados apontam uma capacitação profissional do psicólogo perito não específica para atuar na atividade, diferenças significativas no modo operatório de cada psicólogo perito na forma de organizar, realizar e processar o tempo na tomada de decisão na avaliação das condições psicológicas para dirigir. O uso de testes psicológicos foi um dos principais recursos metodológicos recorridos pelos psicólogos peritos, seguido da observação do desempenho do candidato no momento da avaliação, entrevista psicológica e um roteiro de questões abertas e fechadas construídas por esses psicólogos. Aspectos referentes aos critérios na tomada de decisão são mais gerais, não considerando o tipo da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) nas categorias A, B e C, contudo apresentam diferenças de critérios na tomada de decisão ao avaliar condutores da CNH D e E. O estudo buscou avançar no conhecimento científico sobre as especificidades do modo de trabalhar dos psicólogos peritos em relação aos aspectos técnicos, procedimentos e instrumentos de medida utilizados na avaliação psicológica, bem como na caracterização do perfil dos profissionais da região sul do Estado de Santa Catarina que atuam nessa atividade.

  • Flávia de Novaes Costa (2006)

O trabalho dos psicólogos em organizações de Justiça do Estado de Santa Catarina

Caracterizar o trabalho dos psicólogos em organizações de Justiça do Estado de Santa Catarina. Método: estudo descritivo e exploratório no qual foi realizada análise de documentos e aplicado questionário construído especificamente para esse fim, com base na decomposição de variáveis que constituem o objeto de estudo. As macro-variáveis consideradas foram: perfil ocupacional dos psicólogos, atividades realizadas, condições do contexto de trabalho e competências necessárias à atuação. Participaram do estudo 40 psicólogos integrantes dos quadros de pessoal de organizações de Justiça de Santa Catarina. Foi utilizado o sistema de análise Statistical Package for Social Sciences (SPSS) e a análise categorial, para a análise dos dados. Resultados: A realização de perícia ou avaliação psicológica e a prestação de assessoria aos integrantes do contexto jurídico em questões relacionadas à Psicologia foram consensos na comparação das atribuições dos psicólogos jurídicos estabelecidas nos documentos estaduais, nacionais e internacionais analisados. Nas organizações catarinenses de Justiça os psicólogos realizam atividades técnicas, gerenciais e formativas. Houve predomínio de atividades técnicas/operacionais em detrimento de atividades formativas e gerenciais. Realizar perícias e avaliações psicológicas, elaborar, desenvolver e acompanhar projetos e programas, bem como coordenar equipes e elaborar material de divulgação, foram as atividades realizadas em todas as organizações pesquisadas. As condições do contexto de trabalho foram consideradas como adequadas no sentido físico, mas há dificuldades relacionadas às condições psicossociais desse contexto. As competências consideradas pelos psicólogos como fundamentais à atuação em organizações de Justiça indicaram uma disposição de trabalhar fundamentada no significado do trabalho e uma experiência pessoal no campo jurídico, que pode ser aperfeiçoada com conhecimentos específicos.

Transtornos mentais e comportamentais e características do trabalho dos servidores públicos estaduais

O estudo tem por objetivo caracterizar o perfil demográfico, clínico e ocupacional do servidor público estadual de Santa Catarina e as relações do adoecimento psicológico com as características do seu trabalho. Trata-se de um estudo, descritivo e transversal que utilizou como fontes de informação os registros dos atendimentos realizados (concessão de Licenças para Tratamento de Saúde – LTS, pela Gerência de Saúde do Servidor – GESAS), no período de 2001 a 2005, em virtude da prevalência de servidores públicos estaduais diagnosticados como portadores de TMC. Foi empregada a técnica da observação indireta (pesquisa documental), por meio de Protocolo de pesquisa, construído para coleta de dados, adaptado do checklist de sintomas da Classificação Internacional das Doenças (CID-10 ª Revisão) para investigar Transtornos Mentais e Comportamentais (TMC) – versão 1.1, da OMS (1994). O processo de adaptação desse Protocolo norteou a organização de categorias de investigação que serviram para definir as relações entre saúde e trabalho. Foi escolhida uma amostra aleatória simples de 300 servidores (10% dos prontuários) das Secretarias de Estado da Saúde, Educação, Segurança Pública e Administração, diagnosticados com TMC e outras comorbidades (como patologias do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo). Utilizou-se o Software Statistical Package for Social Scienses (SPSS), versão 11.0, para compilação e análise dos dados. O estudo demonstra que as repercussões do trabalho na saúde dos servidores públicos estão associadas ao modo degradado de funcionamento do serviço público; as condições; a organização; às exigências dos postos de trabalho; as relações sociais de trabalho e aos desmandos da alternância do poder. A carga de trabalho reúne variáveis que concorrem à saúde ou ao adoecimento do trabalhador, estando relacionada, de um lado, as exigências físicas, psicológicas e sociais, e de outro as competências para desenvolvê-las. Os resultados indicam que há relações entre os quadros clínicos e as características do trabalho de servidores públicos estaduais, embora os registros de queixas referentes ao posto não foram freqüentes nos prontuários estudados. As patologias prevalentes detectadas na amostra foram os transtornos de humor, a depressão e o estresse. Os TMC e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORTS) foram demandas presentes na prática profissional dos servidores públicos da saúde, educação, segurança pública e administração.

Mensuração de aspectos psicológicos presentes em portadores de dor crônica relacionada ao trabalho

Os aspectos psicológicos têm um papel de destaque no início, no agravamento e na manutenção da dor; também a intensidade e a freqüência da dor geram desconforto físico psicológico que dificultam o desenvolvimento das atividades de trabalho. O objetivo deste estudo foi desenvolver uma medida para avaliar a ocorrência de aspectos psicológicos em portadores de dor crônica relacionada com sua atividade de trabalho. O Inventário de Aspectos Psicológico de Portadores de Dor Crônica Relacionada ao Trabalho (IAP-T) desenvolvido, possui 103 itens agregados em cinco dimensões (Ansiedade=A, Transtornos Somatoformes=TS, Depressão=D, Habilidades Sociais=HS e Bem-estar no Trabalho=W). Duas medidas foram utilizadas: o IAP-T e o Inventário de Sintomas (SCL-90-R) que serviu para avaliar a consistência externa do IAP-T. As duas medidas foram administradas, individualmente ou em grupo, com 483 participantes economicamente ativos, sendo 215 com dor crônica (grupo experimental) e 268 sem dor crônica (grupo de controle). Os participantes foram recrutados em unidade pública e privada de atendimento à saúde, instituições públicas e sindicatos. Foi usado o teste t-student para comparar os resultados dois grupos, que indicou: a) predominaria no grupo experimental do sexo feminino (87.9%); e b) médias mais altas e estatisticamente significativa para em todas dimensões do grupo experimental, sugerindo que o IAP-T é uma medida sensível para identificar a ocorrência de sinais e sintomas psicológicos em portadores de dor crônica. Examinado a análise das variâncias dentro do grupo (teste ANOVA), os principais resultados foram: a) para ambos os grupos os valores das médias da dimensão TS apresentaram diferença estatisticamente significativas para as variáveis sexo, nível de educação, grupo de ocupação, empregado e renda, exceto para o estado civil, sinalizando que dentre as dimensões do IAP-T, o TS parece ser a melhor dimensão para identificar ocorrência de aspectos psicológicos; e b) foi verificado diferenças estatisticamente significativas para as dimensões D, A e TS para as variáveis sexo, renda e nível de escolaridade, indicando ser essas dimensões mais sensíveis do IA-T para identificar a ocorrência de sinais e sintomas psicológicos. Finalmente, em ambos os grupos, os dados sugerem que para maiores nível de escolaridade ou renda há menor a ocorrência de sinais e sintoma psicológicos. A consistência interna e externa do IAP foi verificada através dos coeficiente de Pearson e alfa de Cronbach. Espera-se que o IAP-T auxilie na elaboração de diagnóstico, no planejamento de estratégias de prevenção e no tratamento das síndromes dolorosas crônicas. Os achados desta pesquisa também podem ser úteis no campo da ergonomia e da psicologia do trabalho, fornecendo subsídios teóricos e metodológicos para planejar e melhorar o ambiente e as condições de trabalho que possam promover a saúde física e psicológica do trabalhador.

Decorrências psicológicas de acidentes de transito em motoristas de transporte urbano de passageiros da Grande Florianópolis

O objetivo da pesquisa foi de caracterizar decorrências psicológicas de acidentes de trânsito em motoristas de transporte urbano de passageiros da Grande Florianópolis. A pesquisa é caracterizada como ex-post-facto, sendo que as informações foram obtidas por meio de depoimentos de 40 motoristas de transporte urbano que sofreram acidente de trânsito, durante a atividade profissional, no período compreendido entre junho de 2004 a julho de 2005. O instrumento de coleta de dados utilizado foi um questionário estruturado com base na decomposição das variáveis que constituem o fenômeno investigado e organizado nos seguintes perfis: sócio-demográfico, ocupacional, clínico e do acidente de trânsito. Os resultados apontam para alteração do estado emocional dos motoristas, modificando os níveis de atenção e tomada de decisão e, por conseqüência, o desempenho na atividade de dirigir. As decorrências psicológicas mencionadas constituem o conjunto de aspectos que define dano psicológico, por revelarem transtornos emocionais e de hábitos sociais, interferindo na qualidade de vida, de forma transitória ou permanente, trazendo conseqüências materiais e morais.

Competências comunicativas em um sistema industrial têxtil

“Competência Comunicativa” no ambiente de trabalho não se trata simplesmente de transmitir uma informação e ela chegar ao seu destino. “Competência Comunicativa” refere-se à capacidade do indivíduo de saber recrutar e mobilizar competências e habilidades da comunicação e colocá-las em prática nas suas relações interpessoais. Objetivando saber quais são estas competências e habilidades que compõem as “Competências Comunicativas”, procurou-se desenvolver e aplicar a Ferramenta de Identificação de Competências Comunicativas em Ambientes de Trabalho, o FICCAT. Este instrumento foi aplicado em diversos setores de uma indústria têxtil, entre encarregados e demais trabalhadores dos setores de planejamento e produção. A ferramenta leva em consideração o perfil da empresa, o levantamento populacional e inter-relacional, a relevância e a freqüência de exigência pelo ambiente de trabalho das competências comunicativas, além de uma meta avaliação da própria ferramenta. A aplicação do instrumento gerou uma listagem de competências e habilidades relevantes, em ambientes de trabalho real e ainda, possibilita uma gama de novos estudos com base neste material.

Cargas psíquicas no trabalho e processos de saúde em professores universitários

As condições de saúde dos professores, assim como dos trabalhadores de uma forma geral, dependem fundamentalmente das relações entre as exigências e condições de realização do trabalho, denominadas genericamente de cargas de trabalho, derivadas do contexto e das características da organização do trabalho, nesse caso, da atividade de docência. A avaliação das cargas de trabalho, a partir das suas dimensões físicas e psicológicas permite ampliar o grau de compreensão acerca da percepção das condições de trabalho, dos riscos e evidências de processos de adoecimento. O presente estudo tem como objetivo caracterizar as cargas psíquicas no trabalho de professores universitários e sua influência nos processos de saúde. A pesquisa, iniciada com base em uma análise documental dos afastamentos para tratamento de saúde dos professores do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Santa Maria (CCS-UFSM-RS), foi realizada em duas etapas: a) observação das atividades dos professores em aulas teóricas e práticas, com o intuito de organizar um check-list das condições de trabalho dos professores que atuam nos cursos do CCS-UFSM, que serviu de base para a organização do Q-CP – Questionário de Avaliação da Carga Psíquica; b) aplicação do Q-CP com professores dos cursos do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Santa Maria (318 participantes). A amostra válida (n = 86) contou de tempo médio de docência de 13,4 anos (DP= 9,9), idade média de 41,4 anos (DP= 10,5). As condições físicas dos ambientes de trabalho (ruídos, estado de conservação dos materiais e equipamentos, exigências posturais) foram percebidas pelos professores como fatores geradores de desconfortos, produzindo, sobre eles, efeitos psicogênicos das cargas físicas. A necessidade de falar constantemente durante as aulas é percebida como desconforto para 44% dos professores, reforçando a tese da relação entre sobrecarga no uso da voz e distúrbios da laringe e das cordas vocais. Em relação à organização do trabalho, 54,7% dos professores mostram-se insatisfeitos com a desproporcionalidade entre a responsabilidade exigida e a remuneração percebida pelo seu trabalho; 37,2% afirmam estarem descontentes com o seu trabalho, ainda que 54,7% nunca tenham pensado em mudar de emprego. Há uma distribuição equilibrada de sintomas quanto à idade e sexo sugerindo que o bem-estar psicológico é uma variável interveniente na avaliação da carga psíquica (Q-CP). Os resultados do estudo permitem afirmar que as condições de trabalho desses profissionais são precárias, tornando-os suscetíveis a processos de adoecimento, tanto no aspecto físico como no aspecto psíquico.

Indicadores para a gestão de distúrbios músculo-esqueléticos em fisioterapeutas

A formulação de indicadores preventivos de qualquer patologia, especialmente os distúrbios músculo-esqueléticos (DME) é importante para desenvolver os sistemas de gestão de processos de adoecimentos no trabalho. Nessa formulação cabe reconhecer a dimensão biológica ou física por meio dos aspectos patológicos chamada de microambiente, a dimensão psicológica chamada de mesoambiente e a dimensão social ou organizacional de macroambiente. Essas dimensões emergem umas das outras formando um campo sinérgico entre si, tanto para a harmonia ou desarmonia de um sistema. Assim, a busca por características de um processo de gestão baseado em indicadores de DME em Fisioterapeutas inicia a possibilidade da geração de instrumentos de gestão voltados a saúde dos trabalhadores, saindo do aspecto epidemiológico ou pós-factual para o aspecto pré-factual ou preventivo para todos os trabalhadores, minimizando os aspectos desarmônicos do campo sinérgico, entre as dimensões dos ambientes em estudos, além da possibilidade de maximização dos resultados desejados. A metodologia adota o método PES (Planejamento Estratégico Situacional), criado pelo economista chileno Carlos MATTUS, para a compreensão do problema e para o desenvolvimento da investigação, a utilização da estratégia da pesquisa sintética com caso único em diversos níveis de análise apoiada no conjunto de métodos de observação direta e indireta e a utilização da Técnica de Incidentes Críticos (TIC) associados ao Tableau du Bord, com instrumentos definidos para o conjunto de variáveis aplicada na população de fisioterapeutas estatutários na cidade de São José dos Pinhais-Pr. Ao gerar o instrumento de controle multifatorial para a prevenção de distúrbios músculo-esqueléticos em fisioterapeutas, batizado de TC-Psitrab/UFSC, teve-se a formação de superfícies emanadas pelas variáveis independentes com as cargas físicas, mentais e organizacionais dos fisioterapeutas para responder as exigências de suas tarefas em seus postos de trabalho. A variável independente carga física pode gerar alterações nas variáveis dependentes observadas como lactato, triglicérides, glicemia, colesterol, freqüência cardíaca e respiratória, pressão arterial, antropometria, entre outras; a carga mental pode gerar alterações nas percepções da demanda física, mental e temporal e nível de frustração, realização e esforço; bem como a carga ambiental ou organizacional pode gerar alterações no ambiente, local e organização de trabalho e os tipos de supervisão. Participaram da pesquisa 13 fisioterapeutas, com a geração de análises individuais, por categoria e populacional. Na análise das superfícies dos gráficos sob a forma de polígonos e triângulos, observou-se que cinco fisioterapeutas se apresentam na categoria saudável, cinco se encontram no estágio saudável para pré-patológico/mórbido, um na categoria pré-patológico, um na faixa pré-patológico/mórbido para patológico e um já apresenta DME. Os resultados apontam a necessidade de propor ação preventiva primária de DME para população pesquisada e uma ação de prevenção secundária aos fisioterapeutas que se encontram no estágio pré-patológico/mórbido e patológico. A caracterização de indicadores para gestão de DME em fisioterapeutas auxilia no controle de acidentes, afastamentos, inatividade e custos desnecessários, visando a melhoraria da qualidade no trabalho e dos serviços prestados à população. Como recomendações foram propostas a geração de um software shareware do tipo ambientes integrados de desenvolvimento com objetivo de gerenciamento na agilidade de informações e a possibilidade de inclusão, substituição e eliminação das escalas de incidentes críticos do instrumento de controle a fim de adaptar a outras populações e profissões.

Características comportamentais de pessoas socialmente competentes no trabalho

O objetivo desde estudo foi identificar comportamentos percebidos como socialmente competentes no trabalho. O fenômeno das competências sociais tem sido discutido com foco nos processos de aprendizagem, formação de conceitos e elaboração de condutas sociais. Este estudo, entretanto, propõe uma discussão sobre as competências sociais nas situações de trabalho situando o fenômeno da competência social na relação entre exigências requeridas e capacidade demonstrada pelo trabalhador para realizar uma atividade. Nesse sentido, as competências sociais no trabalho estão diretamente relacionadas à percepção das pessoas sobre os comportamentos demonstrados nas situações de trabalho. Para descrever este fenômeno, foi realizada uma decomposição das variáveis que caracterizavam a competência social na literatura especializada. Com base nisso, foi construído um questionário (Q-ACS) e aplicado com 200 trabalhadores de uma empresa pública de capital misto do segmento de petróleo e energia na região Sul do País. Os dados possibilitaram descrever a graduação de importância entre 48 comportamentos identificados como características de pessoas socialmente competentes no trabalho. Foi observado que 19 dos 48 comportamentos apresentados no inventário foram percebidos com grau de importância máxima e estes configuram um conjunto de características relacionadas às características de uma pessoa sociável, comunicativa e comprometida com o trabalho.

Infrações éticas, formação e exercício profissional em Psicologia

O objetivo do estudo é caracterizar infrações éticas no exercício profissional dos psicólogos de Santa Catarina a partir da análise das denúncias apreciadas pela Comissão de Ética do Conselho Regional de Psicologia no período de 1992 a 2003. Parte-se do pressuposto que as diferentes práticas profissionais da Psicologia nos diversos campos de atuação do psicólogo necessitam de constantes tomadas de decisão sobre métodos, técnicas e instrumentos mais adequados para a intervenção profissional, o que revela a dimensão ética implicada nas ações, no cotidiano do exercício profissional. A coleta e o posterior tratamento dos dados obedeceu a um processo de construção de categorias, por núcleos temáticos, a partir de variáveis que foram se configurando na análise dos processos apreciados pela Comissão de ética, seguindo os passos decisórios desde a apresentação da denúncia até o seu arquivamento, ou instrução e julgamento do processo ético: a) forma da denúncia; b)tipos de denunciantes; c) suposta infração ética apresentada; d) status de decisão sobre a denúncia; e) argumentos de defesa do psicólogo; f) tipos de procedimentos utilizados para a instrução dos processos éticos; g) provas documentais mais utilizadas por ambas as partes para a instrução do processo; h) tipos de testemunhas mais indicados; i) tempo necessário para decidir sobre o arquivamento ou instauração de processo ético, para instruir o processo e levá-lo a julgamento e para apreciar os recursos na instância federal; j) penalidade por ocasião do julgamento e do recurso. Os resultados demonstram que as ações de fiscalização do exercício profissional por parte do Conselho e as queixas de usuários representam tipos de denunciantes mais freqüentes, e que a forma da denúncia de maior ocorrência é a representação formal (escrita, qualificada e circunstanciada). Considerando a variedade e a quantidade de provas documentais utilizadas na instrução do processo ético, outros psicólogos são normalmente indicados como testemunhas para esclarecer os fatos relatados na denúncia. Aproximadamente metade das denúncias foram arquivadas e os processos éticos instaurados e levados a julgamento no âmbito regional ou federal receberam principalmente a pena de advertência, sendo que aproximadamente metade deles foram arquivados ou absolvidos da acusação.. Os erros apontados na realização de avaliações e perícias psicológicas representam o maior número de queixas, seguido de problemas no relacionamento de psicólogos, entre si, com clientes, e com outros profissionais, e o uso de práticas não reconhecidas pela ciência psicológica. A caracterização das infrações éticas mostra a dificuldade encontrada pelos psicólogos para justificarem social e institucionalmente suas práticas profissionais, e demonstram evidências da relação existente entre a formação do psicólogo e os aspectos que devem ser mais enfatizados do ponto de vista do seu aprimoramento técnico e de sua fundamentação ética e científica.

Atributos psicométricos necessários à construção de uma medida de carga mental de trabalho

O objetivo desde estudo foi caracterizar atributos psicométricos necessários à construção de uma medida de carga mental de trabalho. Carga mental de trabalho pode ser definida como a resultante da relação entre as exigências da atividade de trabalho e a capacidade ou estado psicológico necessário para respondê-las. Partindo-se da literatura especializada, foram sistematizadas dimensões psicológicas, associadas ao desempenho na atividade de trabalho, caracterizadas como indicadores de carga mental de trabalho. Foi realizada uma decomposição de comportamentos inerentes a essas dimensões (itens) que pudessem expressar percepções sobre os estados psicológicos para responder as exigências do trabalho. Esses itens (47) compuseram o Questionário de Avaliação de Carga Mental de Trabalho (Q-CMT), que foi organizado com base nas seguintes dimensões: Sensória-Atencional, Perceptiva, de Interação, Temporal, Cognitiva-Reacional e Afetiva-Emocional. Associado às dimensões definidas, foi adaptado um Inventário de Bem Estar Psicológico (criado para este fim), com intuito de avaliar a relação entre a percepção de carga mental e percepção de saúde. A pesquisa transcorreu ao longo de três estudos empíricos com populações distintas (enfermeiros -08, policiais militares-130 e operadores de teleatendimento-134) com intuito de testar sistematicamente a medida, o grau de compreensão dos itens e a sensibilidade do instrumento. Os dados foram tratados por meio de análise estatística descritiva, relacionando a carga mental de trabalho com variáveis demográficas e ocupacionais, e análise fatorial, buscando reagrupar comportamentos e dimensões, confrontando-as com as dimensões pré-definidas. O Q-CMT mostrou-se sensível às variações de carga mental de trabalho, apresentando as variáveis idade e tempo de função como principais moduladores da carga mental, juntamente com a percepção de bem-estar psicológico do trabalhador. Por fim foram identificados que os atributos necessários para a construção de uma medida de carga mental devem ter propriedades de natureza perceptiva, sensorial, cognitiva, afetiva e comunicacional.

Fatores de risco do trabalho associados ao histórico da dependência ou abuso de substâncias psicoativas

A presente pesquisa teve como objetivo caracterizar os fatores de risco do trabalho, associados ao histórico de dependência ou abuso de substâncias psicoativas. Para tanto foi construído um instrumento denominado Inventário dos Fatores de Risco do Trabalho Associados ao Abuso de Substâncias Psicoativas, que se constituiu de uma escala tipo Likert, composta de 62 afirmativas, criadas a partir do levantamento bibliográfico a respeito do tema, e de um questionário estruturado destinado à investigação das variáveis sócio-ocupacionais e de consumo de drogas. A população foi composta por 125 indivíduos diagnosticados como dependentes ou abusadores de substâncias psicoativas, pacientes de 4 centros de recuperação e membros da irmandade Alcoólicos Anônimos da Grande Florianópolis. Foi realizada uma revisão dos conceitos de abuso e dependência de substâncias psicoativas, trabalho, estresse, além da elaboração do estado da arte da relação entre os temas propostos. Os resultados obtidos apontam fatores associados à organização do tempo de trabalho, pressão, rotina, controle, ganhos financeiros, desemprego e exigência física como sendo de alto risco para o abuso e a dependência de substâncias psicoativas, quando em consonância com os demais sintomas cognitivos, comportamentais e fisiológicos característicos da dependência.

Relações entre frequência cardíaca, carga física de trabalho e produtividade em sistemas de produção de componentes elétricos para motores industriais

Nas últimas décadas, a aceleração dos processos competitivos, do ritmo do trabalho, da adoção de metas de produção e desenvolvimento tem provocado alterações significativas nas condutas do trabalhador e em decorrência, de sua própria saúde e bem-estar. O objetivo deste estudo foi avaliar as relações entre freqüência cardíaca, carga física de trabalho e produtividade em sistemas de produção de componentes elétricos industriais. A pesquisa foi realizada junto a 68 trabalhadores, sendo 54 mulheres e 14 homens, distribuídos em dois turnos de trabalho, em uma empresa que fabrica componentes elétricos, na operação de parafusadeira, instalada no norte do Estado de Santa Catarina. Para a atividade de campo foi utilizado um equipamento denominado de Freqüencímetro que monitora a freqüência cardíaca de um trabalhador em atividade, considerando-se um método preciso e confiável no estudo da freqüência cardíaca durante o trabalho. Verificou-se assim, a freqüência cardíaca sob o aspecto da reação do coração quando submetido a cargas físicas no posto de trabalho; em tarefas ou atividades durante a jornada de trabalho, como também, as variáveis no desempenho dessas pessoas, procurando obter as possíveis alterações, aumento, queda ou manutenção dos índices de produção, Entre outros resultados vimos que. Os homens demonstram uma média de freqüência cardíaca 87,07, com produção de 86,35%, enquanto que as mulheres com freqüência média cardíaca de 87,12 apresentam uma produção média de 92,90%,numa demonstração de que as mulheres, na operação de parafusadeira, apresentam maior produtividade que os homens; comprovando-se o que a empresa tinha como pressuposto de que esta operação é melhor desenvolvida pelas mulheres.

Condições de trabalho e saúde de motoristas de transporte coletivo urbano

Caracterização das condições de trabalho e saúde de motoristas de transporte coletivo urbano por ônibus, tendo como suporte o estado da arte da pesquisa em comportamento humano no trânsito, as contribuições oriundas da Psicologia Ambiental, da Psicologia do Trabalho e da Ergonomia. Foram realizadas observações do local de trabalho (terminais urbanos), das linhas (fazendo o percurso juntamente com o motorista) e do comportamento do motorista durante o percurso na linha. Foram entrevistados 21 motoristas. As falas e as observações serviram de recurso para a análise e foram organizadas em categorias analíticas. Pôde-se concluir que a atividade de dirigir é desgastante, causa fadiga, e sua eficácia está relacionada principalmente a fatores ambientais do local de trabalho e à forma como os motoristas lidam com esses fatores. Aspectos como as instalações de apoio e o trânsito como um todo, além do posto de trabalho (cabine) são fontes constantes de estresse. Esses agentes estressores são responsáveis por uma série de distúrbios orgânicos (como dores na cabeça e no pescoço, problemas auditivos como zumbidos e dificuldade do entendimento da fala de outras pessoas, dores nas pernas e problemas relacionados ao calor) e psíquicos (como estresse, irritabilidade e fadiga) que afetam não só a atividade de dirigir, mas a vida social e coletiva desse profissional.

Avaliação da carga mental de trabalho em pilotos da aviação militar

Esta pesquisa de cunho quantitativo, apresenta a utilização de um método de mensuração e avaliação das cargas mentais de trabalho, conhecido como NASA-TLX, em pilotos da aviação militar do 2º Esquadrão do 7º Grupo de Aviação da BAFL (Base Aérea de Florianópolis). Objetivou-se realizar à aplicação do instrumento em campo, realizando-se posteriormente a avaliação dos resultados, por meio de comparações referenciais. Estudos semelhantes a esse já foram realizados em países como EUA e Inglaterra. Foi realizada uma busca e revisão dos conceitos relacionados as cargas mentais de trabalho, seus métodos de mensuração e avaliação, e por fim, uma síntese do que vem a ser o NASA-TLX, seu histórico e suas características operacionais. Em campo, foi aplicado uma versão traduzida para o Português do NASA-TLX, em 15 pilotos da aviação militar, logo após o termino de 31 vôos rotineiros do 2º Esquadrão do 7º Grupo de Aviação da BAFL, que ocorreram no período de 23 de abril a 13 de outubro de 2002. A partir dos resultados obtidos, verificamos as cargas mentais de trabalho inseridas em diversos tipos de vôos e situações operacionais existentes no 2º Esquadrão do 7º Grupo de Aviação da BAFL. O instrumento apresentou uma significativa eficácia em termos de avaliação e mensuração das cargas mentais de trabalho, uma vez que apresentou resultados compatíveis aos investigados a partir de relatos colhidos no 2º Esquadrão do 7º Grupo de Aviação da BAFL concernentes aos tipos de vôos e a situações operacionais particulares, como condições de tráfego aéreo, meteorologia e problemas técnicos na aeronave.

Avaliação da freqüência cardíaca como indicador biológico na prevenção dos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho

Relacionados ao Trabalho (D.O.R.T). Paticiparam deste estudo 34 sujeitos, de duas empresas catarinenses que operam no ramo de processamento de dados, distribuidos nos seguintes cargos: analista de sistemas, apoio administrativo e programadores. Foram controladas as variáveis: incidência de D.O.R.T, F.C, carga de trabalho (distinguindo entre física e mental), ambientais (ruído, temperatura e iluminamento). Os instrumentos de pesquisa foram constituidos pelo exame clínico, frequencímetro Polar, ErgoSentry 4.00 e NASA-TLX. Os resultados indicam que alguns sujeitos portadores de D.O.R.T apresentam média de frequência cardíaca acima de 100 bpm, ao contrário dos sujeitos sadíos que apresentam F.C. abaixo de 100 bpm. Apesar disso, podemos afirmar que a F.C. isoladamente não pode ser considerada um indicador biológico da ocorrência de D.O.R.T, porêm, sua utilidade na prevenção deste agravo à saúde humana poderia ser estudada pela associação com outros indicadores organizacionais e fisiológicos.

Avaliação da memória de trabalho em trabalhadores do comércio varejista

O objetivo deste estudo foi desenvolver um método para avaliar a memória de trabalho em trabalhadores do comércio varejista. Os estudos sobre os aspectos constituintes da memória de trabalho têm contribuído significativamente para a) a construção do conhecimento e intervenção profissional em ergonomia cognitiva; b) o aperfeiçoamento da avaliação de sistemas de trabalho baseados em conhecimento, processamento e interpretação de informações, bem como processos de tomada de decisões. Os participantes foram 101 profissionais que trabalham na área do comércio do vestuário, no qual as lojas estão localizadas em Porto Alegre (RS). Todos voluntariamente participaram deste estudo. O método utilizado, de tipo exploratório-descritivo, foi estruturado para o propósito deste estudo. Uma investigação de desenho transversal e um método não-probabilístico foi usado em razão da intencionalidade da escolha da população. Os dados foram obtidos através do Questionário de Avaliação de Memória de Trabalho (Q-MT). O Q-MT se constitui por 41 itens que se referiam aos comportamentos de memorizar usados pelos vendedores do comércio do vestuário. Esses comportamentos foram classificados em 06 dimensões: Atenção e Concentração, Memorização, Raciocínio, Processamento, Temporalidade e Simbolismo. Na população estudada, 65,3% eram do sexo feminino, sendo a média de idade de 21 anos 5 meses. Dos participantes, 73,3% desenvolviam suas atividades profissionais com seu tempo restrito ao trabalho, pois a atividade demonstra necessitar de alto grau de exigência de uso da memória. Os comportamentos associados às categorias de atenção e concentração, processamento e simbolismo mostraram alta exigência do uso da memória de trabalho. A categoria temporalidade foi a característica com maior grau de associação ao aumento da carga de memória de trabalho, pois eram comportamentos relacionados a cumprimento de metas, atingimento de cotas em um período determinado e que necessitavam de constante monitoração. Além disso, é possível constatar que processos como atenção, raciocínio, concentração, simbolismo e compreensão estavam envolvidos concomitantemente no sistema memória de trabalho. Os resultados apontam para as limitações do estudo, bem como direções para futuras pesquisas.

Burnout em fisioterapeutas: influência sobre a atividade de trabalho e bem-estar físico e psicológico

Este trabalho aborda a síndrome de burnout como uma conseqüência do estresse laboral crônico. Objetivou verificar a incidência e os graus manifestos das dimensões esgotamento emocional (EE) despersonalização (DE) e envolvimento pessoal no trabalho (EP) em Fisioterapeutas. Participaram da pesquisa 80 fisioterapeutas efetivamente. Logo, os resultados apresentados referem-se a parte da população, sendo que os níveis de burnout podem ser ainda maiores, pois, como indicam autores, a não participação pode ser interpretada inclusive como traço de burnout. Buscou-se também determinar algumas características do perfil sócio-demográfico, ocupacional e pessoal e sintomas de estresse que possam estar associados a burnout. Trata-se de pesquisa aplicada, quantitativa e descritiva. Os instrumentos de investigação utilizados foram: Maslach Burnout Inventory (MBI), questionário de perfil sócio-demográfico e, de valores pessoais relacionados ao trabalho. A organização e tratamento dos dados foram organizados pelo Excel. A população pesquisada caracterizou-se, pelo predomínio do sexo feminino, faixa etária entre 21 e 35 anos, estado civil solteiro (a) e de profissionais sem filhos. Quanto às características ocupacionais, houve predomínio de atendimento de 20 a 30 pacientes por dia, graduação a menos de 05 anos (65%), seguida por 6 a 10 anos (22,5%), sendo que (50%) trabalham em instituições de saúde especificas e que (20%) desenvolvem atividade na docência universitária. Quanto as variáveis pessoais, os fisioterapeutas utilizam (14%) do seu tempo livre para realização de atividade física e (12%) para o lazer. Os resultados obtidos no Maslach Burnout Inventory (MBI) indicaram grau alto para a dimensão EE, médio para DE e EP, o que, segundo alguns autores, representa a fase inicial da síndrome.

Carga mental e ergonomia

Este estudo investiga a utilidade e a possibilidade de uso da base teórica de Carga Mental no trabalho, em uma situação de trabalho específica no que se refere aos seus aspectos ergonômicos. Procura-se indicar as vantagens e desvantagens decorrentes da incorporação e utilização dos conceitos e métodos relacionados à Carga Mental de Trabalho. A revisão teórica buscou referenciar o estado da arte da Carga Mental de Trabalho, recorrendo a uma literatura pouco conhecida pelos ergonomistas. Nesta revisão caracterizam-se as diferentes abordagens teóricas sobre o conceito de Carga Mental, suas limitações e sua multidimensionalidade. Confrontamos os posicionamentos de pesquisadores da Ergonomia sobre a utilização da teoria de carga de trabalho em um contexto ergonômico, onde se constata um conflito de posições não existindo consenso. Foram comparados também conceitos e procedimentos da Ergonomia com métodos utilizados nos estudos de Carga Mental. A noção de Regulação, usada em Ergonomia é contraposta à noção de Desempenho utilizada nos estudos de Carga Mental. Na pesquisa de campo utiliza-se um dos métodos mais consagrados para acesso à Carga Mental de Trabalho (NASA-TLX), em uma situação real de trabalho com forte característica mental (Call Center em uma empresa de Telecomunicações). Os resultados sugerem inúmeras vantagens para o ergonomista ao adotar esta abordagem na medida em que permite quantificar e qualificar a carga mental, analisando-a em diversas dimensões da situação de trabalho e relacionando esta base teórica a uma gama de variáveis incidentes na situação de trabalho.

Proposição e desenvolvimento de um índice de saneamento básico para municípios

O saneamento básico corresponde a uma série de serviços que pretende melhorar as condições de vida das populações. Esta Tese objetiva a proposição e o desenvolvimento de um Índice de Saneamento Básico Municipal (ISBM), com um caráter de ineditismo baseado na pesquisa realizada junto a diferentes bases de dados, que oportunize uma avaliação comparativa em relação à cobertura domiciliar destes serviços e que pode ser aplicado em qualquer municipalidade do território brasileiro. O índice foi norteado pelos critérios metodológicos adotados no Índice de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas. Num primeiro momento definiu-se o que são estes serviços, suas características e importância; posteriormente, para fins de um melhor entendimento, as variáveis foram detalhadas por intermédio das Fichas de Qualificação dos Indicadores que contemplam aspectos como conceituação, interpretação, usos, limitações, fonte, método de cálculo, categoria sugerida para análise e sigla adotada. O modelo adotado nesta pesquisa compõe-se de variáveis representadas pelos domicílios particulares permanentes abastecidos com água da rede pública, pelos domicílios particulares permanentes ligados às redes coletoras de esgotos sanitários, pelas ruas pavimentadas com sistema de drenagem pluvial, pelos domicílios particulares permanentes atendidos por serviço de coleta de lixo e pela disposição final dos resíduos sólidos domiciliares. Estas variáveis foram agregadas nos indicadores água, esgoto sanitário, drenagem pluvial e resíduos sólidos domiciliares que, num processo de agregação final, resultou no ISBM. Os 64(sessenta e quatro) municípios pesquisados foram selecionados com base no critério de população acima dos 20 (vinte) mil habitantes, previsto na Lei Federal nº 10.257, a qual percebe a municipalidade como um todo, associada nos contextos urbano/rural. O estudo descortinou quais os municípios que apresentam os melhores e os piores dados, escalonando-os ordinalmente, relativamente aos serviços de saneamento básico. Os procedimentos de validação contemplaram uma confrontação com os dados apresentados no Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, e em seu indicador longevidade, por intermédio da correlação de Pearson. Os principais resultados, em relação ao índice proposto, foram encontrados nos municípios de Porto Alegre, Dois Irmãos, Canoas, Esteio, Caxias do Sul, Campo Bom, Ivoti, Charqueadas, Santa Cruz do Sul e Bento Gonçalves. Verificou-se que estes se localizam na região metropolitana de Porto Alegre e no entorno desta. As cidades de Araricá, Nova Hartz, Cruz Alta, Santo Ângelo, São José do Norte, Três de Maio, Três Passos, São Sepé, São Francisco de Assis e Canguçu apresentaram os piores resultados no ISBM.

Incidentes críticos do absenteísmo em situações de trabalho industrial

O objetivo deste estudo foi determinar os incidentes que geram índices de absenteísmo em situações de trabalho industrial. Para alcançar este objetivo foram considerados aspectos vinculados a vida pessoal e ocupacional dos entrevistados. A população selecionada foi de trabalhadores absenteístas (n=97), de uma Cooperativa Agrícola e Industrial, no Setor do Abatedouro de Aves, onde se encontram três áreas críticas, com alto índice de absenteísmo. A sistemática para coleta de dados deu-se inicialmente pela observação direta e posterior seleção da população, durante o período de janeiro de 2001 a junho de 2002. Os instrumentos de coleta de dados utilizados foram: um questionário estruturado sobre Condições de Saúde e Trabalho onde foram investigados os dados sócio-econômicos, as condições do trabalho, o estado de saúde do trabalhador e a caracterização do absenteísmo. Fez-se uso também de um instrumento de Escala de Avaliação da Carga de Trabalho baseado na técnica de incidentes críticos de Flanagan (1954), composto de duas partes: na primeira, para avaliação dos níveis de exigências de cargas de trabalho, como: pressão no trabalho, esforço físico, esforço cognitivo, satisfação no trabalho, exigências ambientais, jornada de trabalho e competência social, utilizou-se uma escala de 0 a 10; na segunda parte, foram elaborados Cartões Diagnósticos para confrontar, as respostas que correspondem às exigências da escala anterior. Os instrumentos foram aplicados como piloto para a sua validação em área similar à que foi realizada a pesquisa. Trata-se de um estudo exploratório, descritivo, do tipo transversal e de escolha intencional da população pesquisada. Os incidentes críticos, identificados nesta pesquisa e que podem levar ao absenteísmo foram: média de idade da população trabalhadora, considerando-se que a maioria é jovem e sem um nível de comprometimento de trabalho satisfatório, falta de perspectiva com relação ao crescimento profissional; postura laboral estática; jornada extensa de trabalho; espaço físico pequeno nas linhas de produção frente ao grande número de trabalhadores; exigências do ambiente de trabalho (excesso de frio, umidade e nível de ruído); distância da residência até o local de trabalho. Através da utilização dos instrumentos de dados foi possível evidenciar que os incidentes críticos repercutem no alto índice de absenteísmo, encontrados na população, levando conseqüentemente a sobrecarga física e mental destes trabalhadores.

  • Maria José Santos Teske (2003)

Riscos ocupacionais que influenciam no desmame precoce de filhos de trabalhadoras que retornam ao trabalho após licença maternidade

O objetivo deste estudo é avaliar os fatores de riscos ocupacionais que influenciam no desmame precoce de crianças em faixa etária de zero a dois anos de idade, filhos de trabalhadoras que retornam as suas atividades pós-licença maternidade. Para que este objetivo fosse alcançado considerou-se aspectos relevantes que circunda a vida pessoal da mulher e dados ocupacionais do grupo entrevistado. Esta pesquisa foi efetivada com um grupo de 10 mulheres que trabalham em setores diferentes. Os dados foram coletados através de um questionário que foi elaborado através de observação do desenvolvimento das atividades em seus postos de trabalho em período puerpério. As entrevistas para avaliação do instrumento de coleta de dados, deram-se em uma indústria, onde as atividades são totalmente diferentes, mas as situações das mulheres em período puerperal e o trabalho realizado, é igual para todas. Esta pesquisa trata-se de um estudo exploratório e descritivo, com abordagem qualitativa em análise transversal e a escolha da população pesquisada é intencional. Os índices dos desmames que foram levados em consideração são referentes as crianças de zero a dois anos de idade. A faixa etária está relacionada com a investigação dos fatores que colaboram com o desmame precoce desta população. Os fatores de riscos identificados junto ao estudo ergonômico foram: a postura em pé ou sentada que contribuiu para o desconforto quando referiam-se ao ingurgitamento mamário ou as mamas túrgidas, devido o longo período que as crianças ficavam sem sugar; o fato de não possuir adaptação, que permitisse as mulheres esvaziarem as mamas quando necessário; e a distância da casa ao local de trabalho. Neste sentido constatou-se a necessidade de sugerir implantação de postos de coleta de leite humano nos locais de trabalho para minimizar o desconforto destas mulheres, quando reiniciam suas atividades ao retornarem ao trabalho. Com estas possibilidades pode-se estar incentivando e melhorando a assistência da mulher em período puerperal com medidas educaticas e preventivas.

Competência social: dimensões relacionadas ao bem-estar social e psicológico do indivíduo nas relações de pares

Interações sociais são de crucial importância para a vida pessoal, comunitária e profissional. Pessoas mais competentes têm mais chances de sucesso. O estilo das interações sociais do indivíduo é percebido e avaliado pelos pares como competente ou não, de acordo com o contexto social, as normas e valores dos grupos. A apreciação que os pares fazem das condutas sociais pode também ser afetada por outros fatores como a faixa etária. Este estudo objetivou examinar (a) as dimensões da competência social reveladas nos significados atribuídos ao comportamento social do indivíduo pelos pares, (b) as relações entre estas dimensões, a qualidade dos relacionamentos (aceitação e rejeição) e sentimentos de solidão e insatisfação social (bem-estar psicológico) e (c) a aplicabilidade das medidas – utilizadas normalmente com crianças – a grupos de jovens e de adultos. Três grupos de diferentes faixas etárias (crianças, estudantes universitários e adultos) participaram deste estudo. Os dados para análise foram extraídos de dois questionários – The Revised Class Play (Masten, Morison & Pelegrini. 1981) e How I feel (Como eu sinto) baseado em Loneliness in Children,(Asher, Hymmel & Renshaw, 1984)- traduzidos e adaptados para o português e respondidos individualmente pelos participantes. Análises fatoriais revelaram, em cada grupo, uma estrutura de quatro fatores- Sociabilidade, Agressividade, Liderança e Sensibilidade/ Isolamento- como dimensões do desempenho social. Nas três amostras, Sociabilidade- indicando comportamentos socialmente competentes- apresentou correlação positiva e significante com Aceitação Social, enquanto que Agressividade – indicando inadequação social- apresentou correlação positiva e significante com Rejeição. Agressividade e Sociabilidade mostraram maior consistência de atributos através das amostras. O fator Liderança apesar de apresentar alguns atributos comuns adquiriu feições especificas nas três amostras bem como observaram-se diferenças entre os grupos no tocante às correlações de Liderança com Aceitação. Identificado como Sensibilidade/Isolamento nas crianças, o quarto fator- Sensibilidade/ Isolamento- foi melhor identificado como Sensibilidade/Etiqueta Social nos jovens e adultos. Finalmente, sentimentos de Solidão foram associados à Inibição nas crianças e à Agressividade nos adultos. Implicações e especificidades dos resultados foram também consideradas.

Perícia psicológica e resolução de conflitos familiares

O objetivo desta pesquisa é caracterizar a perícia psicológica e sua influência na resolução dos conflitos familiares em processos judiciais por meio da: a) identificação dos procedimentos adotados pelos psicólogos para a realização de uma perícia psicológica e os principais elementos que as compõem a partir da leitura dos processos judiciais na Vara de Família da cidade de Florianópolis, b) caracterização da produção das jurisprudências sobre perícia psicológica a partir do exame dos acórdãos publicados pelo judiciário catarinense, c) compreensão que os psicólogos e juizes possuem acerca da importância e eficácia da perícia na tomada de decisão judicial. Foi utilizado como recurso metodológico a pesquisa documental e a técnica do inquérito. Foi realizada a leitura dos autos dos processos judiciais em que houve perícia psicológica e a avaliação das jurisprudências e a aplicação dos questionários junto aos psicólogos e juizes que desenvolvem trabalhos nas Varas de Família. Os resultados da leitura foram analisados através das categorias como: verificação da situação anterior ao pedido de perícia, as causas do manifesto por uma das partes, qual profissional reconhece a necessidade da perícia psicológica, caracterização do perito nomeado e a verificação da necessidade de assistente técnico, caracterização das condições motivadoras para o pedido de modificação de guarda, a formulação e compreensão dos quesitos, caracterização dos principais instrumentos e técnicas utilizadas pelos psicólogos, características principais da estrutura da perícia psicológica e a composição dos laudos. Dos resultados sobre os entendimentos jurisprudenciais, foi possível caracterizá-los em tipos de recursos em que há solicitação de perícia psicológica como: regulamentação de visitas, modificação de guarda, atentado violento ao pudor, destituição do pátrio poder, negativa da prova pericial e nos respectivos elementos de análise: avaliação das relações entre pais e filhos, a perícia e a tomada de decisão judicial, fatores motivacionais para a mudança da guarda e visitas e a premissa do melhor interesse da criança. Os resultados indicam que são vários os fatores que interferem na prática pericial e na resolução dos conflitos apresentados nas Varas de Família, citando como principais: a identificação da natureza dos conflitos, a manutenção do litígio como forma de vínculo, o entendimento que os psicólogos e juizes fazem da perícia psicológica e as delimitações da função do psicólogo enquanto perito.

A histeria e os DORT’s: expressões do sofrimento psíquico de uma época

Este estudo discute as relações entre a Histeria e os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho – DORT’s -, interpretando-os como expressões do sofrimento psíquico de uma época histórica, respectivamente, início e final do século XX. A compreensão teórica desenvolve-se a partir de uma perspectiva multidisciplinar, apoiando-se na psicanálise, na psicodinâmica do trabalho e no discurso de sujeitos em processo psicoterapêutico. O método compreensivo das ciências histórico-hermenêuticas utilizado na psicodinâmica do trabalho e no método psicanalítico permitiu o tratamento e a análise de cinco histórias selecionadas de fragmentos do discurso coletado em registros clínicos (1991-2001) de mulheres bancárias portadoras de DORT’s. Também foi realizada uma análise do contexto histórico-cultural dos DORT’s (século XX), através da comparação, no tempo, com a Histeria (século XIX), buscando as significações pertinentes ao sofrimento psíquico característico da modernidade. Dentre os resultados obtidos destacamos: a) a presença do sofrimento resultante do modo de relação com o trabalho; o uso de estratégias defensivas individuais e coletivas e sua relação com o processo de adoecimento. b) os sintomas físicos dos DORT’s, acompanhados de dor, sofrimento e depressão, resultantes de uma história singular da relação do sujeito com a organização do trabalho; c) Os DORT’s, na atualidade, assim como a Histeria no passado, denunciam um modelo de saúde vigente, exigindo a construção de uma compreensão relacional sobre o processo saúde-doença, mediante uma adequada valorização do discurso do sujeito como fonte de saber.

Trabalho feminino industrial e gravidez: avaliação dos fatores de risco e seus impactos à saúde e ao processo de trabalho

O objetivo deste estudo foi avaliar os fatores de riscos do trabalho da gestante em postos de trabalho industrial que dificultam ou comprometem o desenvolvimento da gravidez e do trabalho. Para alcançar este objetivo, foram considerados aspectos vinculados a vida pessoal e ocupacional das entrevistadas. A população foi composta por todas as gestantes (n=10) de uma indústria alimentícia, mais especificamente do setor de abate de aves, em diversos postos de trabalho. A coleta de dados foi por meio de entrevista individual com roteiro pré-elaborado e pela observação direta do desenvolvimento das atividades pelas gestantes. Foram aplicadas entrevistas piloto para a validação do instrumento de coleta, em indústria similar a que foi feito o estudo. O método utilizado foi de um estudo exploratório e descritivo, com uma abordagem qualitativa em uma análise do tipo transversal não probabilística. O caminho metodológico utilizado foi à pesquisa do tipo survey. Os fatores de riscos identificados por meio deste estudo foram: a) Ergonômicos: postura adotada para o desenvolvimento das atividades; jornada extensiva de trabalho e dupla jornada (trabalho doméstico); fadiga profissional; medidas antropométricas, desenvolvimento de atividades em área de ruídos e de temperaturas frias; atividades em turnos; equipamentos e mobiliários inadequados; relacionamento interpessoal deficitário, organização do trabalho, problemas nutricionais e de hidratação, eliminações comprometidas; agentes estressores como medo e tensão. b) Obstétricos: riscos sociais vinculados à idade, escolaridade, à renda familiar, ocupação, situação conjugal; biológicos e clínicos ligados a patologias pré-existentes desencadeados pela gestação. Constatamos também a necessidade de uma interligação entre a equipe que assiste a gestante no pré-natal e o setor de medicina da indústria e principalmente a institucionalização de grupo de apoio ao processo gestacional como forma educativa de ações preventivas.

Incidência de Burnout em professores universitários

Este trabalho aborda a síndrome de burnout como uma conseqüência do estresse laboral crônico. Objetivou verificar a incidência e os graus manifestos das dimensões esgotamento emocional (EE) despersonalização (DE) e envolvimento pessoal no trabalho (EP) em professores dos cursos que compõem a Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Tuiuti do Paraná, campus Champagnat, situada na cidade de Curitiba. Participaram da pesquisa 96 professores (43,9% dos professores pertencentes aos cursos). Logo, os resultados apresentados referem-se a parte da população, sendo que os níveis de burnout podem ser ainda maiores, pois, como indicam autores, a não participação pode ser interpretada inclusive como traço de burnout.. Buscou-se também determinar algumas características do perfil sócio-demográfico, ocupacional e pessoal e valores pessoais relacionados ao trabalho que possam estar associados a burnout. Trata-se de pesquisa aplicada, quantitativa e descritiva. Os instrumentos de investigação utilizados foram: Maslach Burnout Inventory (MBI), questionário de perfil sócio-demográfico e, de valores pessoais relacionados ao trabalho. Para a análise dos dados, utilizou-se como base o programa estatístico SPSS. A população pesquisada caracterizou-se, pelo predomínio do sexo feminino, faixa etária entre 30 e 39 anos, estado civil casado (a) e de profissionais com filhos. Quanto às características ocupacionais, houve predomínio de carga horária semanal dedicada a atividade profissional de 41 a 50 horas, de graduação a mais de 16 anos (45,8%), seguida por 6 a 10 anos (26%). Quanto ao tempo de atuação no magistério encontrou-se duas faixas significativas: 1 a 5 anos (35,4%) e mais de 16 anos (32,3%). Predominou o fato dos docentes se dedicarem a docência em apenas uma instituição educacional (63,5 %) diferenciando-se os docentes que desenvolvem outra atividade além do magistério (55,2 %) e os que se dedicam exclusivamente ao magistério (43,8 %). Dentre os professores que desenvolvem outra atividade houve predomínio da atuação em consultórios. Os resultados obtidos no Maslach Burnout Inventory (MBI) indicaram grau alto para a dimensão EE, médio para DE e EP, o que, segundo alguns autores, representa a fase inicial da síndrome. Quanto a doenças que os profissionais atribuem a seu trabalho, 60,4% da amostra não respondeu a esta questão. Quanto as variáveis pessoais, houve predominância de profissionais que dedicam “quase sempre” seus finais de semana ao lazer ou atividades sociais (35,4%); e dos que praticam exercícios físicos (53,1%) com freqüência de “3 x na semana” (21,9%). Quanto aos valores relacionados ao trabalho, dados conclusivos e significativos não ocorreram.

Incidência de distúrbios músculo-esqueléticos entre farmacêuticos-bioquímicos e suas repercussões sobre a qualidade de vida e de trabalho

Este estudo teve como objetivo identificar a incidência de distúrbios músculo-esqueléticos em farmacêuticos-bioquímicos, sua relação com os movimentos e posturas na atividade diária e as repercussões na rotina de trabalho deste profissional. A população (n = 27) foi selecionada intencionalmente, entre profissionais inseridos em laboratórios de análises clínicas de Umuarama-Pr. Os dados foram coletados através de instrumento formulado com base em questionários utilizados por Romani, Revista Cipa e Levine. A população estudada apresentou taxa de incidência de 51,9% de distúrbios músculo-esqueléticos, sendo a coluna lombar, pescoço, ombro e punhos e mãos as áreas mais afetadas. Os movimentos e posturas mais freqüentes que se relacionam com a origem dos distúrbios e recorrência dos sintomas foram os movimentos repetitivos de punhos e mãos, movimentos repetitivos de membros superiores, elevação de ombro, flexão do pescoço e uso de técnicas manuais. Durante a manifestação dos sintomas identificaram-se principalmente fadiga física e irritabilidade. As dificuldades relatadas para as atividades da vida diária e prática foram girar o pescoço, estender roupa e colocar as mãos nas costas, porém não significativos. Os resultados estabelecem indícios entre as posturas e movimentos inerentes à atividade do farmacêutico-bioquímico e o desenvolvimento de DORTs por estes profissionais, e sua influência na qualidade de vida. Mesmo com a ocorrência dos distúrbios, a taxa de absenteísmo é baixa e nenhum dos indivíduos acometidos considera mudar de trabalho por causa destes distúrbios ou pelo risco de ocorrência de outros.

Produção do conhecimento em ergonomia na enfermagem

O objetivo desta pesquisa foi caracterizar o estado da arte do conhecimento em Ergonomia na Enfermagem com base no estudo de teses e dissertações produzidas no campo de conhecimento da Enfermagem no Brasil. Buscando identificar convergências na percepção da abordagem ergonômica nas atividades de enfermagem em pesquisadores no Brasil, foram analisados 2162 resumos de pesquisas produzidas no período de 1963 a 2000, catalogados na Associação Brasileira de Enfermagem. As pesquisas foram caracterizadas em relação às seguintes variáveis: grau acadêmico, instituições, ano de defesa e áreas do conhecimento. Os estudos sobre trabalho e ergonomia, foram analisados e classificados por áreas da Ergonomia. Paralelamente ao desenvolvimento do trabalho, foram feitas pesquisas em bases de dados nacionais e internacionais com o propósito buscar bases teóricas à sustentação dos dados empíricos encontrados. Evidenciadas pesquisas sobre Trabalho, referentes a aspectos físicos, cognitivos, psíquicos e organizacionais além de estudos sobre satisfação, prazer, sofrimento, desconforto e dor relacionados à postura e movimentação, demonstraram a contribuição da Ergonomia na Enfermagem. A utilização dos conhecimentos da Ergonomia pode significar a possibilidade de mudanças, criação de novas áreas de atuação e contribuição para o trabalho e à saúde do trabalhador de enfermagem. Este estudo ressalta a importância da pesquisa na produção do conhecimento transformando a prática em obra acadêmica enfatizando a caracterização das inter-relações entre a abordagem da Ergonomia e a produção do saber na Enfermagem, bem como a contribuição da Enfermagem no saber da Ergonomia.

  • Mônica Sêncio Paes Langoski (2002)

Agentes estressores e fatores ergonômicos relacionados a atividade dos profissionais de Triathlon

O presente estudo trata dos profissionais do esporte, especificamente da modalidade de triathlon. O objetivo foi levantar os fatores ergonômicos e agentes estressores pertinentes à modalidade. A pesquisa foi exploratória e descritiva de corte transversal. A amostra foi composta por 21 triatletas profissionais que representou 33,87% dessa população no Brasil, sendo 10 triatletas feminino e 11 triatletas masculino. Como instrumento de pesquisa, referente aos fatores ergonômicos, foi utilizado um formulário de 66 questões abertas e fechadas; para a identificação dos agentes estressores, foi utilizado um formulário para identificação de situações causadoras de estresse em atletas, proposto por De Rose Jr. (1996). Este formulário foi adaptado à modalidade de triathlon e constou da análise de 154 variáveis divididos em cinco classes de agentes estressores: relacionamento profissional; aspectos emocionais e afetivos; fatores de risco; aspectos organizacionais; conseqüências da atividade. Os resultados encontrados nos aspectos ergonômicos mostram que os triatletas profissionais (elite), apesar de estarem sendo acompanhados por equipes multiprofissionais, precisam de uma reestruturação no planejamento da atividade num todo, com o objetivo de reduzir os sintomas de estresse, supertreinamento, patologias desenvolvidas e número de lesões, proporcionando uma melhora no desempenho e na qualidade de vida desses profissionais. A vida pessoal desses triatletas está vinculada a sua condição de desportista, logo ao realizar a atividade dentro dos moldes que os resultados se apresentaram, conclui-se que a realização da atividade por si só já é estressante. Dentre as principais classes dos agentes estressores investigadas o destaque são os relacionados à arbitragem/organização das provas e a constante preocupação com o patrocínio.

Aspectos ocupacionais e ergonômicos da técnica de higienização do couro cabeludo em pacientes hospitalizados

Este estudo teve como objetivo identificar os aspectos ocupacionais e ergonômicos da técnica de higienização do couro cabeludo em pacientes hospitalizados. A população (n=42) foi selecionada, intencionalmente, entre os profissionais e pacientes de uma Unidade de Terapia Intensiva de duas instituições hospitalares de Cascavel-PR. O método utilizado de tipo exploratório-descritivo, estruturado a partir de uma investigação quantitativo de desenho transversal e não probabilístico em razão da intencionalidade da escolha da população. Os dados foram coletados através de instrumentos formulados pela pesquisadora e convalidados. Na população estudada, 83% realizam o procedimento de higienização do couro cabeludo somente quando observam se tem sujidades no cabelo, 54% avaliam que técnica de higienização do couro cabeludo não é adequada para desenvolver a atividade, 73% improvisavam os recursos materiais para a execução da tarefa, 17% apresentam desconforto na região cervical, coluna lombar, ombros, membros superiores e inferiores, quando executam as atividades junto aos pacientes. Os resultados demonstram corroborar com estudos anteriores, quando apresenta fortes indícios entre o desconforto postural e riscos ocupacionais inerentes à prática de trabalho dos trabalhadores de enfermagem.

O ruído no ambiente de trabalho: sua influência nos aspectos biopsicossociais do trabalhador

Este trabalho trata de uma investigação de corte transversal conduzida num grupo de 188 trabalhadores de duas indústrias nos ramos de metalmecânica e movelaria, avaliar a influência dos ruído sobre os aspectos biológicos e psicossociais do trabalhador. Os dados foram coletados utilizando-se um medidor de nível de pressão sonora, cujas medidas foram efetuadas nas proximidades dos ouvidos direito e esquerdo do trabalhador, nos postos de trabalho, um questionário, testes audiométricos e fichas médicas. O nível de ruído mais elevado foi observado no setor de prensas, com média de 107dB. Os testes audiométricos medidos em 4000Hz revelaram apenas 7,4% de prevalência de P.A.I.R. entre o grupo de trabalhadores. As intervenções preventivas eram constantes com todos os trabalhadores dos setores operacionais, usando o protetor auricular, de maneira que os riscos de P.A.I.R. eram mínimos. A associação entre o ruído e os aspectos biológicos e psicossociais foram verificados utilizando-se a estatística de teste Qui-Quadrado (?²) e reforçado pela Análise de Correspondência Múltipla. Os resultados evidenciaram que 70% dos sintomas mostraram associações estatisticamente significantes em relação aos níveis de ruído e à percepção do trabalhador. As melhores associações, no entanto, aconteceram para os sintomas dor de cabeça, fadiga física, ansiedade e irritação, entre os aspectos biológicos e psicossociais, respectivamente.

Psicodiagnóstico de síndromes dolorosas crônicas relacionadas ao trabalho

O objetivo desta pesquisa foi desenvolver um método de investigação dos transtornos psicológicos em síndromes dolorosas crônicas de incidência músculo-esquelética. Partimos do pressuposto, e tomando como base as principais teorias e pesquisas correntes em saúde mental e trabalho, de que existem relações recíprocas entre as síndromes dolorosas e o desenvolvimento de transtornos psicológicos, produzidas ou suscetibilizadas pela relação homem-trabalho. Caracteriza-se como um estudo descritivo, de corte transversal, apoiado em uma combinação de dois métodos psicológicos (psicométrico e projetivo) e na análise das queixas relatadas pelos trabalhadores e sua relação com a produção da doença. Participaram 70 trabalhadores diagnosticados como portadores de doenças músculo-esqueléticas, encaminhados para avaliação psicológica junto ao NIDI – Clínica de Dor e ao Serviço de Psicologia Aplicada da Universidade Federal de Santa Catarina, no período 1999/2000. Os instrumentos de investigação foram os seguintes: a) a anmnese clínico-ocupacional, que consiste de um questionário semi-estruturado utilizado para obter o perfil da população investigada e compreende fatores psicossociais (familiares, afetivos, percepção da queixa, história mórbida familiar, pregressa e atual dos trabalhadores, vida social), além dos fatores relacionados à carga de trabalho; b) o teste SCL-90-R, instrumento de medida de padrões de sintomas psicológicos associados à vivência de dor, presentes em um determinado período de tempo; c) a técnica de Rorschach, instrumento de diagnóstico de transtornos psicológicos, tomando como base as características culturais de uma determinada população. A análise dos dados tomou como base o pacote estatístico SPSS. Os resultados apontam uma correlação positiva entre os testes empregados, embora de diferenças de performance no diagnóstico de transtornos psicológicos. A técnica de Rorschach se mostrou mais eficiente na descrição e na análise dos impactos estruturais do adoecimento. O teste SCL-90-R mostrou restrições em diagnóstico de fobia e depressão.


Distúrbios músculo-esqueléticos em fisioterapeutas: incidência, causas e alterações na rotina de trabalho

O objetivo deste estudo foi identificar a incidência de distúrbios músculo-esqueléticos em fisioterapeutas, sua relação com os movimentos e posturas da prática da fisioterapia e as alterações na rotina de trabalho do profissional. A população (n = 128) foi composta por fisioterapeutas graduados e selecionada de forma intencional. Os dados foram coletados através de instrumento baseado no Occupational Injuries in Physical Therapy Survey Questionnaire, proposto por Holder, Clark, DiBlasio et al. Foi utilizado o pacote estatístico SPSS para a organização e tratamento das informações coletadas. A taxa de incidência foi de 65,5% de distúrbios músculo-esqueléticos na população estudada, sendo a coluna lombar, coluna cervical e membros superiores, as áreas anatômicas mais afetadas. Os movimentos e posturas da rotina dos profissionais e relacionadas com a gênese dos distúrbios e recorrência de sintomas foram o uso de técnicas manuais, movimentos repetitivos com membros superiores, rotação e flexão do tronco em pé, manutenção da postura estática por longos períodos e transferência de pacientes. Os resultados corroboram estudos anteriores estabelecendo fortes indícios entre a carga de trabalho inerente a prática da fisioterapia e o desenvolvimento de DORTs por profissionais.

Avaliação psicológica de estados emocionais associados a síndromes dolorosas

O objetivo desse estudo é analisar quantitativamente fatores psicológicos associados à síndromes dolorosas, através da: 1) Comparação dos resultados das escalas de depressão, ansiedade e somatização dos testes P-3 (perfil do paciente com dor) e SLC 90-R (inventário de sintomas); 2) Comparação entre uma amostra populacional norte-americana e uma brasileira; 3) Relação entre escalas do P-3 e as variáveis independentes: idade, sexo, período de manifestação, estresse, intensidade da dor e medicação. Este estudo caracteriza-se como psicométrico, de corte transversal, com amostra não probabilística, enquadrado entre as chamadas pesquisas de desenvolvimento. Foram utilizados os testes P-3, SLC 90-R e uma anamnese psicológica, em 120 pacientes, de ambos os sexos, com idade entre 16 e 65 anos, atendidos numa clínica de dor, em Florianópolis. Os resultados indicam uma correlação moderada entre os testes, com médias e desvios padrão do P-3 próximos entre as amostras norte-americana e a brasileira. Não há diferenças significativas entre as escalas do P-3 e as variáveis sexo, tempo de manifestação dos sintomas, medicação e intensidade da dor. Existe, uma correlação significativa entre as variáveis idade e eventos estressantes e as escalas do P-3. A associação entre as variáveis e as semelhanças com resultados do P-3 nas duas populações, reforçam a indicação deste na avaliação psicológica de pacientes com dor.